INFORMAÇÕES

» Produção X Atividade Física
» Qualidade de Vida X Trabalho
» Doenças do Trabalho
» O que é LER
» O que é DORT
» Como Adoecem / Tratamento
» Evolução da LER/DORT
» Acidentes de Trabalho
» Prevenção
» Segurança nos Movimentos
» Manuseio de Cargas
» Implantação/Implementação
» Fique por Dentro
 
 
 
 
 
Visite nossos sites:
Nossos Sites
 
 
SIGA-NOS
REDES SOCIAIS
imprensa@physicus.com.br imprensa_physicus Linkedin
 

QUALIDADE DE VIDA X TRABALHO



A maioria das pessoas em idade adulta, passa a maior parte do tempo trabalhando. Todas buscam momentos de tranquilidade e bem-estar, adaptando-se ao local de trabalho como podem, mas, a postura inadequada, a organização de móveis que não seguem padrões ergonômicos e a dificuldade em se adaptar a algumas situações podem causar fadigas, estresse e até insatisfação, "bombando" seu bem-estar no meio corporativo. ASSIM NÃO DÁ!. A boa notícia é que você pode mudar esta situação com medidas simples, resultando em um ambiente muito mais estimulante e produtivo, contemplando a qualidade de vida do trabalhador.


- Inteligência Emocional:

Vida pessoal e carreira bem sucedida possui uma base de sentimento com intelecto. O importante é equilibrar estes dois pilares, já que as emoções fornecem dados importantes sobre nós mesmos às outras pessoas e sobre diversas situações.
Pessoas emocionalmente equilibradas mostram-se satisfeitas e eficientes, possuindo maiores chances no campo profissional, tanto no momento da contratação como no dia a dia do trabalho, maximizando os recursos intelectuais e automotivacionais, resultando em total controle das relações interpessoais.
A inteligência emocional pode ser desenvolvida por meio da compreensão de pensamentos, valores, alterações físicas e atitudes. Em outras palavras, possibilita o domínio sobre os pensamentos automáticos e atitudes impulsivas, avaliando melhor as respostas adequadas. Pessoas emocionalmente inteligentes aprendem a redirecionar as energias emocionais a seu favor.


- Ergonomia:

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 80% da população mundial terá ao menos uma vez na vida uma crise de dor na coluna.
As principais causas estão na postura inadequada e a permanência na mesma posição por longos períodos. Esse tipo de problema ocupa o segundo posto de causa de aposentadoria por invalidez no país, podendo ser minimizado com a escolha, adequação e posição dos equipamentos e mobiliários. Para poupar esforços desnecessários os equipamentos de maior utilização devem estar distribuídos de forma a facilitar o seu alcance. As cadeiras devem ser anatômicas com encosto apoiado na região lombar, o que ajuda na distribuição do peso do tronco evitando sobrecarga cervical. Para os trabalhadores que permanecem muito tempo de pé, podem ganhar um pouco mais de conforto apoiando um dos pés alternadamente em um suporte de dez a doze centímetros. Para os que trabalham com grande exigência visual, a bancada deverá estar na altura do peito e, para os que necessitam de excessiva força, na região dos quadris.
Outra grande queixa é a fadiga visual, de acordo com estudo do Instituto Penido Burnier de Campinas/SP, 75% dos usuários frequentes de computadores sofrem com: sensação de ressecamento e peso na vista, vermelhidão nos olhos e dor de cabeça. Este desconforto é gerado devido às inúmeras horas em frente a tela. Mas calma, isso pode ser minimizado. Especialistas recomendam utilização de monitores LCD a uma distância de 45 a 70 centímetros da cabeça com a tela na altura dos olhos. Procure relaxar a visão com pausas de dez minutos a cada hora.



CURIOSIDADES

Dentre os principais fatores que influenciam a qualidade de vida no trabalho, está a atividade física. Estudos comprovam que a prática regular de atividades contínuas ou intercaladas, é fundamental para a prevenção da saúde e das doenças ocupacionais. A Ginástica Laboral é o método mais eficaz para prevenção de: posturas incorretas, repetições de movimentos e reflexos, desvios laterais de punho, compressão frequente das mãos, ombros levantados e força excessiva no uso de objetos.
Hoje as doenças ocupacionais de origem física passaram a ser reconhecidas pelos
Órgãos Governamentais da Previdência Social.